TEXTOS

Felicidade

Eu pensei que a felicidade viesse com a conclusão do ensino médio, depois vi que não era, mas logo acreditei que seria quando passasse no vestibular, e nada. Decerto será quando eu me formar, logo a formatura veio, mas a felicidade não estava dentro daquele canudo. Talvez seja após o emprego. Passado algum tempo, o emprego veio e a felicidade esqueceu de vir.

Mas que coisa! Aposto que será após o casamento, o tão sonhado dia chegou e foi mágico, mas não era atrelado a isso que a felicidade estava. Presumi que fosse a ausência dos filhos, então quando eles vieram, a vida virou do avesso, entendi o amor em sua mais variada forma e conjugações, mas ainda assim não se tratava do que eu pensei.

Então me dei conta de que mania feia temos de projetar tudo no futuro, como se não fosse de agora’s que nossa vida fosse feita. E ao mesmo tempo me pego justificando: “ Eu só queria ser feliz, sabe? Sem culpa, sem medo, sem achar que tem algo de errado só por estar bem e que logo deve piorar. É o que todos queremos afinal. ”

Só que pouca gente repara, eu inclusive, é que a felicidade não é um destino final, felicidade é passagem, e claro, efêmera como qualquer outra coisa nessa vida. Felicidade é alguns pedaços da caminhada, todo caminho tem pedaços íngremes, tem sol, tem chuva, tem dor no pé, e tem descanso as vezes e momentos de alívio.

E a felicidade está distribuída em partes desse curto caminho, o negócio é viver, de preferência o aqui – o agora, saber apreciar, deixar os ouvidos atentos para ouvir os cantos da vida, é olhar para além do que se vê, observar para além do cansaço, dos percalços, e lembrar que mesmo na finitude, existe muita beleza.

Felicidade é abraço apertado, é poder desligar o despertador ou saltar da cama empolgada (o), é clima agradável, é aquele filme marcante, é até aquela nostalgia dos tempos de escola. É a emoção do começo, e por quantos começos não passamos? Do novo, por vezes até a monotonia do velho. É casa cheia e as vezes vazia. É a decolada da viagem, ou o poso da volta. É o brilho do sol, ou a elegância da lua. É sossego, e as vezes barulho, é dualidades, antagonismo, e claro sem nunca deixar de ser equilíbrio. Mas sempre o lembrete de que A FELICIDADE ESTÁ NO CAMINHO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s